Seja humilde

Ontem, durante uma madrugada criativa, desenvolvendo o conteúdo para um workshop sobre marketing de experiência, me vi tão alinhada por poder usar esse tema pra falar sobre empatia, momentos que vivi, o que eles me proporcionaram e sobre a intenção de servir às pessoas, que uma simples felicidade se instalou em mim.

Algumas coisas simplesmente nos dizem isso: você está fazendo a coisa certa! Por menor que seja. Não importa! Afinal, para chegar a qualquer lugar, seja perto ou longe, é preciso sempre dar o primeiro passo.

Cercada desse sentimento e antes de dormir, me ocorreu um texto que combinou com essa sensação: o meu olhar sobre as minhas próprias ações e, também, inspirada pelos relatos que eu havia escutado mais cedo no Workshop Processo Criativo, feito pelo publicitário Lucas de Ouro, e revelaram o medo que muitas pessoas sentem de exercerem o que é nítido que está atrelado às suas vocações.

Seja humilde, a alma pede simplicidade! Seja humilde com as pessoas e isso inclui você. Se olhe com compaixão. Seja menos crítico. Acolha as suas dores e fraquezas. Se elogie com pureza, da mesma forma que é capaz de enxergar a luz do outro. O medo de se elogiar também vem ego, já parou pra pensar? Apenas reconheça os seus dons! Eles sim, vem de um lugar divino e merecem ser divididos. Afinal, foram feitos para isso.

As vezes, penso que a gente só fica tentando encaixar o que a gente ama fazer à falsas necessidades do mundo (chamo de falsas necessidades aquelas que tem como único objetivo um benefício individual e exacerbado), quando o fazer, sem tantos julgamentos negativos, vai encontrando o seu lugar e, consequentemente, nos levando aos nossos destinos também.

Sobre Amanda Dragone

Designer de Comunicação e Empreendedora. Co-fundadora do Modera Brechó e da Relúpio - Social Branding.